precisa-se

por David Plassa


A quem interessar possa:

Você me levaria duas refeições diárias até aquela cabana, por favor? Aquela cabana longe de qualquer manifestação humana, próxima à loucura e aos meus demônios, que cuidam com tanto fervor dos meus piores segredos.

Você iria até o banco para mim e pagaria os impostos locais para que me deixassem em paz? O preço pela dádiva da exclusão de toda essa sujeira sem norte. O preço pela covardia em quebrar uma garrafa ao meio e enfiá-la num repente garganta a dentro.

Uma vez ao ano, você cuidaria da pintura externa, por favor? Dê preferência às cores frias e neutras, pois temo torrar ali dentro por conta da falta de invernos e meia-estações. Não existe nada mais irritante para mim do que suar o aquecimento global.

Você faria guarda à porta para que eu me masturbe tranquilamente, sem que as turbas me incomodem quando descobrirem que nasceram em meio a uma armadilha financiada para o benefício de poucos? Posso colocar Chopin para que você não se decepcione com os tempos, mas também não se entusiasme.

Você me alimentaria de tempos em tempos — grandes intervalos até — com livros que jamais figurariam entre os 10 mais vendidos de uma livraria, escrito por desconhecidos amargurados e sarcásticos? Não me importa a edição, o projeto gráfico ou as recomendações adjetivadas. De preferência, os jamais recomendados.

E peço encarecidamente que você coloque uma placa, plantas com espinhos ou até mesmo a carcaça de um animal morto em frente à cabana, tudo para que nenhum desavisado pouse ali e comece aplaudir a porta trancada atrás de um “você poderia… ?”, “teria como você… ?”, “eu precisava que você…”. Não! Chega! Não quero ajudar o próximo em coisas que ele não faz porque sempre lhe foi servido em sua posição privilegiada. Não tem açúcar? Vá até a mercearia.

E quando tudo o que lhe pedi estiver rodando, ainda que sob o peso de “mas o mundo é mesmo assim”, esqueça-me ali para que eu seja pego de surpresa e apodreça de vez em meu próprio veneno, tão humano quanto os seus pesadelos.

2 ideias sobre “precisa-se

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *