vagonauta encontrado

por Luska Brion

O astronauta quando se perdeu
perguntou-se aonde chegaria
Sabia
que
vagando
ficaria

Que acontecer
lhe poderia tudo
o que ninguém disse

Seguinte ao segundo qual não visse

Nadamaisqueestrelas

Flutuou o infinito
por tempo
suficiente e contente
que fez o vagonauta perceber
que
ali
não
havia
dia

Nem noite

A vaga imensidão que aturdia
agora dizia
que findo era o açoite
daquela escravidão
que
não
mais
o prendia

Nem precioso outrora
o ar lhe faltou
já que não mais existia

A imensidão gentil
jamais o consumiria

Soube então
que em casa estava
Por fim
e sem fim
à humanidade
não
mais
per
ten
c

i

a

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *