[…]

por Gabriel Fogal

Você me deu
Seus olhos
Todas aquelas histórias
E algumas mentiras
Ninguém estava lá
Enquanto eu
Me afogava no mar

Com o outono
Vem a primeira culpa
Da infância retalhada
Do adulto culpado
Na flama o poeta
Se força a esquecer
O tempo entre os tempos

Procuramos nos divertir
Na terra prometida
E quando as promessas
Acabaram
Sobrou apenas
Os infinitos entre os abismos
De sentir

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *