profecia subversiva

por David Plassa

Em algum lugar alguém está sob tortura
Sem entender como ainda suportar
Caso saia, não consegue projetar-se no mundo pós-dor física:
como olhar um semelhante
sabendo que ele arrancar-lhe-ia todas as unhas,
os quatro caninos,
a localização da família?

Em algum lugar alguém está sob tortura
Porque vive-se uma guerra e uma guerra precisa de um vencedor
Uma ordem precisa ser reestabelecida
Até lá não importa que haja fezes no barril onde afogam-lhe seguidas vezes
Um médico está presente para medir-lhe os sinais vitais
Hora de parar

A cela é pequena baixa toca de ratos coisas geladas paredes geladas chão gelado vidro quebrado
O cheiro é de morte ou algo próximo
O pior: vem dele mesmo

Não vai dormir
O sono é inimigo da verdade
O sono é vulnerável ao som ensurdecedor que lhe acelera o coração vacilante:
o som da dor
dos ossos(quebrados)
dos músculos(rompidos)
das cartilagens(dilaceradas)
da consciência(reduzida)
Os olhos não fecham,
semicerram

Em algum lugar alguém volta a ser torturado
Por ser fazer pensar querer diferente
Desde Osíris é assim
Por que mudar,
se sentimo-nos tão fortes em memória do sangue vertido?
Salvos em nossos quartos,
privilegiados
Sob o mito do bom cidadão

Em algum lugar você pode ser o próximo a ter que falar
Cuidado com o que deseja

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *