às baratas

por Nicollas Conti*

Lá em casa há baratas
Que eu não consigo esmagar
Elas estão por toda casa

Elas andam pela parede
E eu não consigo ouvir
O que há de melhor em mim

Parece que tampam meus ouvidos
Cheias de seus ruídos
Eu olho, e não há como escapar
Elas estão no meu espírito

É aquela sensação de novo
O corpo começando a formigar
Talvez seja eu o estorvo
Que está deixando-as entrar

Elas sobem a epiderme
(Por fora e por dentro)
E continuam a gritar
VENHA CONOSCO AO RELENTO

O nojo de me identificar
Com hábitos de barata
Eu sei que não posso expulsar
Elas todas da minha casa

O esgoto inalei
E com alívio, a podridão
Não precisei mais esconder
Invadiram
do sotão ao porão
a casa do meu ser.

Hoje em dia eu já sei
Aqui em casa há baratas
Que eu não irei esmagar
Eu
Sou
Uma
Delas.

_____

*Nicollas Conti é rico, bem-sucedido, feliz e acima de tudo, mentiroso. Mas acha que essa é a principal característica de um poeta. Ensina desenvolvimento pessoal para as pessoas, e é quem mais aprende com isso. Tem uma insaciável curiosidade acerca do universo, tanto o de fora quanto o de dentro. Gosta de filhotes de morcego e açaí na tigela. Nicollas escreve toda segunda-feira.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *