amor ao próximo

por David Plassa

I

Glauco manteve a calma diante do caixa porque não dava a mínima para o fato da filha de Tereza estar chorando há dias, afinal era a única aluna do 4º B a não ter o material didático completo por falha no sistema de entregas da livraria.

Tereza por sua vez não se importou nem um pouco com o primeiro dia de Kleberson como manobrista e protocolou uma reclamação por escrito ao estabelecimento devido à demora no recebimento da SUV 2.0 Diesel que tanto prezava.

Assim, Kleberson não pensou duas vezes quando entrou no ônibus bêbado ao fim do expediente e agrediu com um soco na orelha o motorista Waldinei, que chamava-lhe a atenção pelo volume de voz empregado dentro do veículo.

Ao final, Waldinei com dores e ódio não demonstrou nem um átimo de preocupação ao passar como um raio pelo braço em sinal de parada de Glauco, ávido por chegar o quanto antes em casa após um longo e cansativo dia.

homem moderno

por Caê Jansen

 

Olhou para o céu

O pouco céu que via

Havia sido encoberto aos poucos

Pelos titãs de concreto

Que passam a óbvia mensagem:

Somos nós os donos da cidade

 

Procurou estrelas

Viu pouquíssimas

Contou sete

Sete miseras estrelas

E quantos prédios?

Girando a cabeça começou a contar

.              Um
.   Dois                  Três
.                 Quatro
.                         Cinco          Seis
.        Sete
.                            Oito
.                                       Nove…
Continuou…
.              Dez
.                      Onze              Doze
.   Treze
.                     Quatorze…

E continuavam a brotar novos prédios
Poluindo a vista
Encobrindo a noite

Parou
Respirou profundamente
Então
Olhou para o chão de asfalto
Sujo
Entristeceu-se

Olhou para o céu
Sentiu-se vazio e solitário
Olhou para os titãs
Sentiu-se pequeno e intimidado

Olhou para dentro de si
E lá continuou buscando suas respostas
Buscando sua coragem
De ir além
De abandonar
As conveniências de um mundo moderno
Seus preconceitos e seus medos

Sonhou ir em direção as estrelas
Sonhou derrubar os titãs
Sonhou em quebrar os muros
Romper as grades
Preencher seu vazio

Sonhou e continuou sonhando
Nada fez
Só sonhou