[…]

por Luska Brion*

Manhã deseja cama
Tarde deseja coma
Noite, deseja

Karma

Manhã,
tarde,
noite

Comeu o Karma como se a cama já não mais acalmasse o desejo de correr do amanhã

Como se cada cama tivesse comido o como

Como se houvesse o que comer

Infame
Perdeu a fome
Faminto, morreu

_____

*Luska Brion é o 4º de cinco.
Dezenove residências.
Dinheiro parco, melanina ainda menos.
Mente em fluxo galático.
Vida em eventos atípicos.
Humor randômico.
Luska escreve quinzenalmente às sextas.

vagonauta encontrado

por Luska Brion

O astronauta quando se perdeu
perguntou-se aonde chegaria
Sabia
que
vagando
ficaria

Que acontecer
lhe poderia tudo
o que ninguém disse

Seguinte ao segundo qual não visse

Nadamaisqueestrelas

Flutuou o infinito
por tempo
suficiente e contente
que fez o vagonauta perceber
que
ali
não
havia
dia

Nem noite

A vaga imensidão que aturdia
agora dizia
que findo era o açoite
daquela escravidão
que
não
mais
o prendia

Nem precioso outrora
o ar lhe faltou
já que não mais existia

A imensidão gentil
jamais o consumiria

Soube então
que em casa estava
Por fim
e sem fim
à humanidade
não
mais
per
ten
c

i

a

[…]

por Luska Brion

Agora pense bem, no problema que você tem.
Aí estirado no chão, abandonado, ferido,
fedido como um cão.
Agora pare, e pense bem.
No problema que ele tem.
Ao vê-lo preso em sua vida curta, chata e sem gosto!
De terno e gravata, sem pelo no rosto.
Agora pense.
Pense.
Pense bem.
O problema era mesmo de quem?